MangaGods - Takeshi Obata

0
  • sábado, 10 de dezembro de 2011
  • Robert Reis
  • Marcadores: , , , , , , , , ,
  • Dae pessoal! Prometo que esse ano não invento nada de novo pra encher a bagagem de colunas do blog e esquecer das antigas, ok? Apesar que eu falei que não me esqueci! Tamanha verdade essa, que agora eu voltei com uma coluna (Muito da mais ou menos) que eu gosto de escrever, porque sempre fica de um tamanho razoável sem muito esforço! Hehe! Estou falando do MangaGods, que hoje é com um cara que não sabe fazer histórias, mas desenha bem demais, trabalha com um parceiro que todo mundo acha que é uma mulher véia das idéias e é desleixado de propósito com seus traços, dizendo que é pra adequar à história. Mas fora a preguiça desfarçada de profissionalismo, seus traços são lindos e quando ele capricha na obra, ela vira um sucesso! Foi assim com Death Note e com o One Shot Hello Baby. E ainda acho que a história de Bakuman que sustenta as altas posições no TOC da Jump, já que a arte do camarada aqui tá sofrível comparado ao seu talento. Hoje vamos falar do Manga God, Takeshi Obata.





    Como não tem artigo do Takeshi Obata na Wikipédia (vai um da Desciclopédia mesmo) pegarei a parte de biografia do blog Hiro-Yoru e sejai-vos felizes:
    "Takeshi Obata nasceu em 11 de fevereiro de 1969, no distrito de Shiigata, Japão. Aos seus vinte anos foi finalista no prêmio Tezuka, realizado todos os anos pela Shueisha, com o manga Cyborg G-chan. Desde então começa a trabalhar na conceituada revista Shonen Jump.


    Em 1992 com ajuda do roteirista Susumu Sendo cria o manga Arabian Majin Bokentan Lamp Lamp, parodiando as aventuras de Alladin. Já em 1995 com a ajuda do também do roteirista Sharaku Murou no projecto Karakurizoshi Ayatsuri Sakon."


    Vamos agora à suas obras de mais sucesso. E a primeira foi Hikaru no Go (Que ganhará um review, assim que eu tiver um tempo pra ler a obra) que estreou em 98 e só foi terminar no ano de 2003 (Quando começou o mito Air Gear) e foi publicado pela Shonen Jump com história do Yumi Hotta. No Brasil, Hikaru no Go foi lançado pela Editora JBC. No Japão, foram 23 volumes encadernados e no Brasil, ainda está em andamento com 18 volumes. O anime teve 75 episódios e o mangá ainda ganhou dois jogos. Hikaru no Go e Hikaru no Go 2 (Santa Criatividade, Batman!) para Game Boy Advanced (Vulgo GBA). E a sinopse da história roubada da Wikipedia é, Shindou Hikaru, estudante da sexta série, estava no sótão da casa do seu avô, junto com sua amiga Akari, procurando coisas para vender. Acha um tabuleiro de Go (goban), e quando vai limpar percebe que está manchado de sangue. Mas sua amiga não consegue ver isso. Ao tentar limpar o sangue ouve uma voz e vê um fantasma. Assustado, Hikaru desmaia. Ao acordar, o fantasma conta a sua história. Ele é Fujiwara no Sai, exímio jogador de Go que viveu no período Heian como um dos tutores de Go do Imperador que, devido a um incidente (revelado mais tarde no anime) tira a própria vida. Ainda assim não consegue descansar em paz, pois tinha um objetivo: a Mão de Deus (神の一手 Kammi no itte), e seu espírito acabou ficando preso no tabuleiro de Go.
    Sai quer continuar em busca de seu objetivo, mas Hikaru não sabe nada de Go, além de achar o jogo muito chato. Depois da ajuda em uma prova de História, Hikaru concorda em levar Sai a um Clube de Go.
    Assim, Hikaru joga a sua primeira partida (na verdade quem joga é Sai), contra Touya Akira, o único garoto de sua idade que estava no Clube de Go. Ocorre uma partida de alto nível, pois Akira tem o mesmo nível de um Pro (nome dado aos profissionais do jogo). Depois da vitória, descobre que Akira é na verdade filho do maior jogador de Go da atualidade, Touya-Meiji. Akira decide perseguir Hikaru (Sai), e para evitar mais problemas, Hikaru sempre foge dele. Enquanto isso, Hikaru aprende a gostar de Go e decide perseguir Akira para vencê-lo com as próprias mãos.
    E a história segue com o aprendizado de Hikaru e a "rivalidade-amizade" entre Hikaru e Akira.



    A segunda história foi a quem fez Takeshi Obata ser conhecido como é hoje. Death Note foi um projeto que Obata-sensei pegou, logo após de acabar Hikaru no Go, ainda no ano que o mesmo terminou. Death Note foi a primeira obra do Takeshi Obata com o/a Tsugumi Ohba, o escritor de identidade desconhecida ou a esc... Vocês entenderam! Death Note acabou no ano de 2006 com 12 volumes lançados pela Jump e por aqui foi lançado pela JBC taaambém! O anime teve 37 capítulos e além do anime, teve 2 filmes (Death Note: Relight: Visions of a God e Death Note: Relgiht 2: L's Successors), 3 jogos (Death Note Kira's Game, Death Note Successor to L e L the Prologue to Death Note: Spiraling Trap) todos lançados pela Konami, além da famosa (Aqui no Brasil) peça teatral tupinicóvska chamada de Caderno da Morte, que já foi até premiada recentemente. E a sinopse de Death Note é, Raito Yagami é o melhor estudante do Japão que queria matar todos os criminosos em torno dele. Um dia, sua vida sofre uma mudança radical, quando ele encontra um estranho caderno sobrenatural chamado "Death Note", caído no chão. Atrás do caderno havia instruções sobre sua utilização, onde dizia que se escrevesse o nome de uma pessoa e visualizasse mentalmente o rosto desta, ela morreria de um ataque cardíaco. No início,Light desconfiava da autenticidade do caderno, mas depois de testá-lo em duas ocasiões, ele percebe que seu poder era verdadeiro. Depois de cinco dias, ele é visitado pelo verdadeiro proprietário do Death Note, um shinigami chamado Ryuk, que conta que ele tinha deixado cair o caderno na Terra porque estava entediado, e Light, então, lhe diz que o seu objetivo era matar todos os criminosos, a fim de purificar o mundo do mal e tornar-se o "deus do novo mundo". Mais tarde, o número de mortes inexplicáveis dos criminosos chama a atenção do FBI e de um famoso detetive particular conhecido como "L". L deduz rapidamente que o assassino em série — apelidado pelo público como "Kira" (キラ derivado da pronúncia típica japonesa da palavra inglesa "killer", lit. "assassino") — estava no Japão. Também percebe que Kira poderia matar pessoas sem a necessidade de colocar um dedo nelas. Light descobre que L será um de seus maiores rivais, e começará um jogo psicológico entre eles.



    E em seguida, em 2006 ainda (Esse cara não para) assim que acabou Death Note, Takeshi Obata ilustrou as histórias de Blue Dragon Ral Grad. O autor dessa história é Tsuneo Takano. O mangá, denovo, teve dobradinha Jump-JBC e teve 4 volumes, publicados de 2006 à 2007. Blue Dragon Ral Grad foi um mangá promocional de uma série de jogos com o nome Blue Dragon, então tem vários jogos. E o anime foi feito com uma história diferente. O jogoteve o characer design por Akira Toriyama (Não me esquecerei dele '-'b). Ou seja, nenhuma das plataformas se interligam de maneira alguma, sendo totalmente distintos uns dos outros. O anime de Blue Dragon é meio kodomo. Confesso que não gostei muito quando eu ví, mas se você for fã de kodomos, tem uma chance de você gostar. Meu irmão mais novo gostou! A sinopse é, Em um mundo onde criaturas demoníacas nomeadas "sombras" entram no nosso mundo através dos seus hospedeiros, os seres humanos. No entanto, quando um menino com o nome de Ral torna-se amigo de sombra, que vive em seu interior, ele pode ser a última esperança de salvar o mundo. Ral vive na ilha de Sphaein, no reino de Sphaelite. Lá, ele foi convocado para proteger o reino das sombras do mal que querem destruí-lo. Com a ajuda da sua sombra, o grande dragão azul chamado Grad, e sua professora, Mio, Ral pode derrotar qualquer desafiante.



    Sua obra atual, depois de um descanso de um ano, é Bakuman, lançado em 2008. Aqui, denovo Takeshi Obata faz parceriacom Tsugumi Ohba. Essa foi uma obra bastante aplaudida por vários fatores, mas também teve bastantegente que ficou descontente por causa de como algumas palavras são ditas no mangá. Nada que incomode quem está afim de ler Bakuman pela história em sí. Adivinha aí as editoras japonesa e brasileira. Se você disse Shonen Magazine e Panini, vocês está... Certo! Brincadeira, é Jump e JBC denovo! O primeiro anime de Bakuman, que cobre os arcos até a serialização deles com Trap, teve 25 capítulos e Bakuman 2, que ainda está sendo exibido, tem a previsão dos mesmos 25 capítulos. A sinopse é, Bakuman começa com Moritaka Mashiro, um estudante ginasial, deixando seu caderno com um desenho de sua paixão e colega de classe, Miho Azuki, em sala de aula. Quando ele percebe e volta para a sala de aula depois da escola, seu colega, Akito Takagi, está esperando por ele com o seu caderno na mão, e diz a ele que ele acredita que Azuki gosta de Mashiro também. Masahiro acaba pensando que Takagi também gosta de Azuki. Takagi, então, tenta convencer Mashiro para se tornar um mangaká (quadrinista de mangá) e o chama para ilustrar as histórias que ele escreve. No entanto, Mashiro, é relutânte à desilusão com a sociedade moderna e o destino de seu tio, um antigo mangaká serializado que morreu por excesso de trabalho, enquanto tentava recuperar seu status.

    Mais tarde Takagi chama Mashiro dizendo que ele vai confessar à Azuki. Mashiro corre até a casa de Azuki para encontrar Takagi, e ele em seguida, solicita Azuki e confessa a ela que ele e Mashiro são destinados a ser mangakás. Mashiro, em seguida, descobre que ela quer ser uma Seiyuu (dubladora) e, pensando nas desventuras românticas de seu tio, propõe Azuki em casamento, sob a condição de que eles só se casam depois de alcançar seus sonhos. Com um gol antes dele, Mashiro expõe a tornar esse sonho realidade. Seu objetivo é ter a voz de Azuki como a heroína da adaptação do anime de seu mangá. Para ter a maior probabilidade de sucesso, ele e Takagi votam para se serializar na revista semanal Shonen Jump e tentar criar o mangá mais popular para a revista.


    E é isso pessoal! Espero que tenham gostado! Levei três dias pra terminar sabagaça! XD Sem mais! See ya!

    0 comentários:

    Postar um comentário

     
    Copyright 2011 OtaKrazy Blog